Desafios no manejo nutricional da cana: potássio, magnésio e enxofre

A produtividade da lavoura da cana-de-açúcar, bem como de outras culturas, depende muito da adequação do manejo e da fertilidade do solo. Para o produtor rural, o manejo nutricional é um grande desafio e envolve a necessidade de muito conhecimento técnico. Por conta da importância, a APagri trouxe para debate durante o 1º Encontro com Agroespecialistas, realizado online em março, exatamente o tema sobre os desafios no manejo nutricional da cana, com foco em potássio, magnésio e enxofre como nutrientes fundamentais.  

O debate está disponível no canal da APagri no Youtube, com informações bastante relevantes. Como complemento, trago informações sobre as alterações recentes em tabelas lançadas pelos órgãos agronômicos para orientação a consultores e produtores rurais, referentes à adubação da lavoura da cana com base nesses três nutrientes.  

Esses órgãos atualizam os dados sempre que há alterações consideráveis a serem observadas no trabalho do manejo do solo, portanto, não é com muita frequência. Para se ter uma ideia, uma das principais tabelas é o Boletim Técnico 100, elaborado pelo Instituto Agronômico de Campinas (IAC), que trouxe mudanças significativas desde a última publicação, na década de 1990. O atual boletim ainda não foi publicado, mas já foi disponibilizado aos profissionais de agronomia, por ser um parâmetro importante ao trabalho. 

Novos parâmetros para os desafios no manejo nutricional da cana

Segundo os dados mais recentes do Boletim 100, para o potássio os parâmetros de demanda na cana-de-açúcar são altos, chegando a 220 kg/ha de K2O, onde 60 – 80 kg/ha de K2O são aplicados no plantio da cana e o restante na cobertura no quebra-lombo. Ou seja, subiu a régua em relação ao boletim anterior!  

Para a cana soca, o novo Boletim Técnico 100 apresenta mudanças significativas desde a última publicação. Também traz novidades, variando de 100 a 200 kg/ha de K2O para a faixa inicial de fertilidade do solo. A relação K2O/N atualmente é de 1,4/1. 

Gestão de fertilidade do solo: melhor produtividade sucroalcooleira

Para produtores que utilizavam fórmulas, a mudança das tradicionais formulações –  por exemplo: 20-05-20 ou 25-00-25 ou 26-00-22 – agora usarão 20-07-28 ou 22-00-30 ou ainda 22-10-22. Ou seja, maior quantidade de K2O em relação a N, obviamente que em função de amostragens e análises de solo. 

Também percebemos a mudança em relação ao fósforo. Agora, só mesmo os solos mais férteis (acima de 40 mg/dm3 em resina) não têm recomendação de reposição de P2O5 em cana soca. 

Sobre o nitrogênio, o professor Rafael Otto (2019), da Esalq/USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/ Universidade de São Paulo), em Piracicaba-SP, cita que a relação N/K2O pode chegar a 1:1,8. O mesmo autor, em material publicado pelo Agronomy Journal (2020), afirma ser possível reduzir a dose de N para 0,8 a 1Kg/t de produtividade esperada. 

Em relação ao magnésio e enxofre, principalmente o primeiro, há dois trabalhos publicados com títulos que já nos remetem à importância do tema:  

  • Magnésio, o elemento esquecido na produção agrícola, de autoria de Cakmak (2010), Better Crops, destacando que “a nutrição com magnésio é frequentemente negligenciada e sua falta afeta o crescimento das plantas”;
  • Macronutrientes secundários: estamos dando a devida atenção?, trabalho apresentado em 2017 no 8º Simpósio de Tecnologia de Produção de Cana-de-açúcar, pelo professor Godofredo César Vitti, também da Esalq/USP, e outros. 

O magnésio está presente no centro da molécula de clorofila, ou seja, na “fábrica verde”, e exerce funções essenciais, tais como: constituinte da molécula da clorofila; ativador de enzimas relacionadas ao metabolismo de gorduras e carboidratos; absorção e metabolismo do fósforo. 

Plantas em deficiência de suprimento de magnésio são mais suscetíveis ao estresse térmico, segundo Mengutay e outros (2012). Portanto, é clara a importância do elemento Mg, sendo essencial sua correta manutenção em termos de disponibilidade. 

Ubersolo: análise de fertilidade do solo é essencial para ganho de produtividade

O fornecimento dos macronutrientes secundários (Ca, Mg e S) normalmente são supridos por calcário e gesso. Dados mais recentes nas relações de exportação em kg/100t (Oliveira, 2011) indicam balanço de CaO/MgO de 0,94, porém as relações médias de CaO/MgO dos corretivos são no mínimo de balanço 1,72, apontando tendência de desequilíbrio, principalmente se houver altas de doses de K2O, que são frequentes em  áreas de aplicação sem critério para vinhaça.

Resumindo: toda atenção deve ser dispensada na compra de corretivos, verificando os níveis de Mg no solo para correção, por exemplo, com óxido de Mg via solo ou Mg foliar.  

Deficiência de enxofre no solo pode causar perda de produtividade. O enxofre participa na fixação e metabolismo de nitrogênio, conferindo, entre outros papéis, o de resistência ao frio e à seca no canavial. O gesso tradicionalmente é fonte de enxofre e também é condicionador de sub-superfície. 

A APagri utiliza uma tabela própria para recomendação, que leva em conta diversos critérios, elaborada com base nos boletins dos órgãos de informações oficiais. Os critérios de recomendação de gesso mais utilizados pela APagri, além do algoritmo próprio, é a fórmula de Vitti e outros (2008) e o critério de Caires e Guimarães (2018). Nelas, busca-se 60% da CTCef (Capacidade de Troca de Cations efetiva) da camada de 20-40cm. Os autores recomendam aplicação de gesso agrícola somente em solos com alto teor de Mg nas camadas superficiais. 

Além de gesso, pode ser utilizado S elementar – por exemplo, enxofre pastilhado. A fórmula de Vitti e outros (2017), cita que “fontes alternativas de S na forma elementar, além de refletir em maiores teores de enxofre no solo por mais tempo, também têm resultado em maior aumento na produtividade”. 

Encontro com Agroespecialistas

O debate sobre Desafios no manejo nutricional da cana-de-açúcar: potássio, magnésio e enxofre contou com a participação do doutor em solos e nutrição de plantas e produtor rural de cana e soja Gaspar Henrique Korndörfer, do engenheiro agrônomo e gerente de produção agrícola Michel Fernandes, sob a mediação do agrônomo Luís Fernando Magron Zanuncio, consultor técnico da APagri SP/MT.  

Os três trouxeram informações importantes sobre o tema, inclusive sobre os fatores que podem levar ao empobrecimento dos nutrientes no solo.

 

O engenheiro agrônomo Norwaldo Mello é consultor da APagri-SP/MG, sediado em Uberaba-MG.

Compartilhar:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Sergio Luís Góes

Unidade
Goiás – Agronômico Sérgio
Área atendida em hectares: 47099,3

Nelson Dall'Acqua

Unidade

Goiás – Agronômico Nelson

Área atendida em hectares: 47099,3

Luís Fernando Magron Zanuncio

Engenheiro Agrônomo especializado em Agricultura de Precisão, consultor agronômico há 17 anos
Engenheiro Agrônomo pela Esalq/ USP (2004), especializado em Agricultura de Precisão, área em que atua como consultor agronômico há 17 anos, com foco em produção de grãos e fornecedores de cana-de-açúcar na região de Assis/SP, além de gestor agronômico no Estado do Mato Grosso, com trabalhos desenvolvidos nos Estados de GO, MA, RO, MG, MS, PR e no Paraguai. Possui conhecimento técnico sobre propriedades rurais norte-americanas usuárias de Agricultura de Precisão, usina de cana-de-açúcar na Flórida (US Sugar Corporation) e CASE Máquinas Agrícolas. Conta com participações em feiras agropecuária, como a Farm Progress Show (Estados Unidos), simpósios nacionais de cultura do milho, feijão irrigado, soja, cana-de-açúcar, plantio direto e integração de lavoura pecuária. Palestrante em eventos agronômicos, universitários, de colégios técnicos e treinamentos em empresas agrícolas.

Tiago Cappello Garzella

Engenheiro Agrônomo, Doutor em Ciências/Irrigação e Drenagem, especialista em P&D
Doutor em Ciências pela USP (2011), com ênfase na área de concentração de irrigação e drenagem, e engenheiro agrônomo pela Esalq/USP (2004), tendo recebido duas menções honrosas em trabalhos científicos e o prêmio Sotreq, por Melhor Desempenho na área de Engenharia. Ao longo de sua vida acadêmica e profissional, desenvolveu atividades relacionadas à Agricultura de Precisão, Geoestatística, Eletrônica e Automação, também com formação técnica em eletroeletrônica, laureado com o prêmio Engenheiro Roberto Mange de Melhor Desempenho (1997). Atuou na Robert Bosch (1996 – 2000) e é diretor de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) da APagri Soluções Agronômicas. Participação em eventos internacionais, nos Estados Unidos e Espanha.

Godofredo César Vitti

Professor Sênior em Adubos, Adubação e Fertilidade do Solo/ USP
Professor Sênior em Adubos, Adubação e Fertilidade do Solo; aulas na disciplina Adubos e Adubação em graduação e pós-graduação na ESALQ/USP; Especialização e MBA. Sócio-proprietário da Vittagro Engenharia, especializada em consultoria, treinamento e projetos técnico-científicos nas áreas de fertilidade e manejo de solos, práticas corretivas (calagem, gessagem e fosfatagem), práticas conservacionistas (plantas de cobertura, rotação de culturas), fertilizantes minerais, orgânicos, compostagem, adubação e nutrição de plantas. Projetos de pesquisa e assessoria na área de plantio direto na cultura de grãos, cana-de-açúcar, pastagem, café, citros e algodão. Publicou 15 livros em nutrição vegetal, fertilizantes e fertilidade do solo; 27 capítulos de livros; boletins técnicos e participação em mais de 200 eventos de capacitação; palestras no Brasil e exterior (África do Sul, Marrocos, Estados Unidos, Noruega, Bolívia, Uruguai, Argentina, Equador, França, Peru, Chile, Espanha, México, Belize, República Dominicana, China, Turquia, Austrália, Costa Rica, Guatemala, Angola, Canadá, entre outros países). Coordenador nacional e internacional há 30 anos do Programa de Análises de Tecido Vegetal e fundador do Grupo de Apoio à Pesquisa e Extensão (GAPE). Medalha Fernando Costa na modalidade Ensino (2018).

José Paulo Molin

Professor e Coordenador do Laboratório de Agricultura de Precisão/USP e pesquisador CNPq
Engenheiro Agrícola pela Universidade Federal de Pelotas (RS, 1983), com mestrado em Engenharia Agrícola pela Universidade Estadual de Campinas (SP, 1991) e PhD em Engenharia Agrícola pela University of Nebraska (EUA, 1996). É professor da Universidade de São Paulo (USP), no Departamento de Engenharia de Biossistemas da ESALQ (Piracicaba-SP), desde 1989, onde coordena o Laboratório de Agricultura de Precisão e é pesquisador do CNPq. Atua na interface entre a área de Máquinas Agrícolas e a Agricultura de Precisão, especialmente com sensores de solo e de plantas, variabilidade espacial, mapeamento da produtividade e aplicação localizada de insumos. Coordenou o Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão, de sua criação (2004 a 2018); presidiu a Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão (CBAP), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento desde sua criação (2012 a 2016) e foi presidente da Associação Brasileira de Agricultura de Precisão (AsBraAP), da fundação até 2020.

Nelson Dall’Acqua

Mestre em Produção Vegetal/ Manejo de Solos, consultor técnico em Agricultura de Precisão
Engenheiro agrônomo pela Esalq/USP (1985), é mestre em Produção Vegetal na área de concentração Manejo de Solos pela Universidade de Rio Verde/GO (2008). Especializações em Administração Rural; Sistemas Pressurizados de Irrigação; Tecnologia de Produção da Cultura da Soja; Plantio Direto; e Manejo de Solo. Consultor técnico da APagri Soluções Agronômicas há 15 anos, já atuou na Lacon Engenharia, em processos de implantação de tecnologia de integração agricultura-pecuária, com plantio de soja para recuperação de pastagens em Goiás, milho e sorgo para produção de grãos e silagem, administração de seringal e implantação de usina de beneficiamento de borracha, além de introdução ao sistema de monitoramento e manejo de pragas na cultura da seringueira. Foi gerente agrícola na Construtora Massafera, para administração e implantação das culturas de seringueira e eucalipto; e na Serrana de Mineração, para a implantação e administração de fazenda modelo e experimental de horticultura, fruticultura, bovinocultura de leite e reflorestamento de eucalipto.

Jonas Canesin Gomes

Agrônomo, consultor técnico, com especialização em Manejo de Solos e Inglês para Negócios
Engenheiro agrônomo pela Universidade Federal de Viçosa-MG (2013), com especialização em Inglês para Negócios/ Business English (2019) pela University of La Verne – La Verne/CA – USA, e especialização agronômica com ênfase em Manejo de Solos pela Esalq/ USP (2017). Atuou no mercado de fertilizantes sólidos e líquidos, com foco na nutrição de culturas como soja e milho, hortifruti e florestas. É consultor técnico da APagri Soluções Agronômicas, com ênfase em Agricultura de Precisão e consultoria na Fertilidade de Solos, atendendo nos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins, Goiás, Pará e Bahia, com abertura de mercados regionais e prospecção de clientes da negociação à supervisão de serviços técnicos. Atuou também na Timac Agro do Brasil, IAC (Instituto Agronômico de Campinas), Cocapec (Cooperativa de Cafeicultores da Alta Mogiana) e Grupo Perene Consultorias Agrícolas.

Sergio Luís Góes

Unidades
Colômbia – Agronômico Medelin
Colômbia – Puerto Gaitán
Área atendida em hectares: 26668,8

Sergio Luís Góes

Unidade
Bahia – Agronômico Sérgio
Área atendida em hectares: 111042,7

Jonas Canesin

Unidades
Bahia – Agronômico Jonas
Área atendida em hectares: 111042,7

Sergio Luís Góes

Unidade
Distrito Federal – Agronômico Sérgio
Área atendida em hectares: 111042,7

Jonas Canesin

Unidades
Distrito Federal – Agronômico Jonas
Área atendida em hectares: 111042,7

Mauro Wontroba

Unidade
Maranhão – Agronômico Balsas
Área atendida em hectares: 34107,9

Francisco Weliton

Unidade
Maranhão – Agronômico Pará
Área atendida em hectares: 34107,9

Mauro Wontroba

Unidade
Piauí – Agronômico Balsas
Área atendida em hectares: 30765,3

Francisco Weliton

Unidade
Piauí – Agronômico Pará
Área atendida em hectares: 30765,3

Mauro Wontroba

Unidade

Tocantins – Agronômico Balsas

Área atendida em hectares: 30765,3

Francisco Weliton

Unidade
Tocantins – Agronômico Pará
Área atendida em hectares: 34107,9

Mauro Wontroba

Unidade

Pará – Agronômico Balsas

Área atendida em hectares: 30765,3

Francisco Weliton

Unidade
Pará – Agronômico Pará
Área atendida em hectares: 34107,9

Rogerio Macedo

Unidade
Minas Gerais – Agronômico Frutal
Área atendida em hectares: 11435,2

Norwaldo Mello

Unidades
Minas Gerais – Agronômico Uberaba
Área atendida em hectares: 11435,2

Davi Besson

Unidade
Mato Grosso – Agronômico Médio Norte
Área atendida em hectares: 8633,9

Tiago de Oliveira

Unidade
Mato Grosso – Agronômico Parecis
Área atendida em hectares: 8633,9

Rodrigo Righeto

Unidade
Mato Grosso – Agronômico Primavera do Leste
Área atendida em hectares: 8633,9

Davi Besson

Unidade
Mato Grosso – Agronômico Vale do Araguaia
Área atendida em hectares: 8633,9

Luís Fernando Magron Zanuncio

Unidade
São Paulo – Agronômico Assis
Área atendida em hectares: 2613,0

Luís Fernando Magron Zanuncio

Unidade
Paraná – Agronômico Assis
Área atendida em hectares: 2613,0

Luís Fernando Magron Zanuncio

Unidade
Mato Grosso do Sul – Agronômico Assis
Área atendida em hectares: 2613,0

Sergio Luís Góes

Consultor técnico com foco em estratégias de Sistemas de Produção, Fertilidade do Solo e Agricultura de Precisão
Engenheiro agrônomo pela Esalq/USP (1993), com MBA em Gestão Empresarial FIA/USP/(2001) e especialização em Manejo do Solo ESALQ /USP(2004), é considerado referência profissional em adubação e correção no Cerrado para as culturas de soja, milho, feijão e algodão. Consultor técnico com foco em estratégias de Sistemas de Produção, Fertilidade do Solo e Agricultura de Precisão, voltado a orientar o produtor para otimização do potencial produtivo com essência em maximização de margem de lucro e minimização de riscos. Atende com serviços, assessoria e suporte a produtores em todo o Brasil e histórico de atuação em países como Austrália, Paraguai e Colômbia. CEO e sócio-fundador da APagri Soluções Agronômicas.