Compactação do solo: olhar para além das características químicas

Um dos mais importantes fatores da produção agrícola é o solo. Quando discutimos sobre sua fertilidade, muitas vezes falamos diretamente das propriedades químicas e disponibilidade de nutrientes. No entanto, existe um componente que é esquecido ou mesmo se esconde aos olhos de quem faz avaliações visuais: a compactação do solo.

O solo nos dá o suporte para a expressão do potencial genético das plantas, é a base de qualquer sistema de produção e o maior patrimônio dos agricultores. Demanda cuidados específicos e avaliações criteriosas para se manter saudável e produtivo. Suas características são reflexo do material de origem, topografia e efeitos climáticos que atuaram ao longo de vários anos sobre ele.

A compactação do solo é o processo pelo qual, a partir de ações externas, as partículas do solo e agregados sofrem um rearranjo, alterando a forma e tamanho destas partículas. Esse rearranjo resulta na diminuição do espaço poroso e aumento da densidade deste solo (HAMZA, M. A., & ANDERSON, W. K; 2005).

Gestão de fertilidade do solo: melhor produtividade sucroalcooleira

Causas e efeitos da compactação do solo

Cada vez mais, os solos são cultivados com mais intensidade para trazer o maior retorno possível a seus investimentos. Com isso, algumas práticas agronômicas podem trazer um certo desequilíbrio à estrutura. Exemplos dessas práticas são:

  • Necessidade de aumento do rendimento operacional nas lavouras, o que faz com que o produtor use máquinas maiores e mais pesadas;
  • Entrada das máquinas na lavoura em momentos de alta umidade;
  • Operações excessivas ao longo dos cultivos;
  • Ausência ou baixa quantidade de palhada para amortecer os impactos diretos dos maquinários;
  • Monocultivo ou ausência de rotação de culturas e uso de culturas de cobertura, que promovem o bom enraizamento e criam espaços porosos ao longo do perfil do solo;
  • Entrada de animais nas áreas que causam pisoteio, principalmente nos sistemas de integração lavoura-pecuária.

O processo altera uma série de fatores que irão interferir na produtividade final das plantas. Alguns exemplos:

  • Reduz a capacidade de infiltração de água no solo, ou seja, baixo acesso à água pelas raízes das plantas, além de aumentar os processors erosivos na superfície do solo, causando perdas de nutrientes;
  • A resistência à penetração das raízes interfere no seu desenvolvimento e, com isso, no acesso a nutrientes, causando perdas produtivas;
  • Redução na aeração do solo;
  • As plantas com sistema radicular reduzido possuem maior suscetibilidade ao ataque de pragas e doenças radiculares;
  • Menor capacidade de sobrevivência das plantas em situações de estresse hídrico, devido à falta de sistema radicular profundo que possa sustentar a demanda de água durante os veranicos.

Plantas de cobertura como auxiliares no manejo do solo

Caracterização da compactação do solo

Com o advento da Agricultura de Precisão, podemos entender que a compactação pode ocorrer em profundidades e locais diferentes dentro da lavoura, devido às diferenças químicas e físicas. Solos de textura arenosa são mais suscetíveis à compactação do que os solos de textura argilosa. Sendo assim, é de suma importância entender as três caracterizações da compactação do solo:

  • Localização: quais locais estão compactados ou não? Assim é possível entender e direcionar dentro da fazenda as ações corretivas;
  • Intensidade: qual é o grau de compactação destes locais? Os números podem nos mostrar como devemos atacar esta compactação. Muitas vezes, a simples implementação de culturas de cobertura ou rotação de culturas pode resolver o problema, mas em casos de maior severidade é importante a intervenção mecânica;
  • Profundidade: qual é a camada dentro do meu perfil de solo que está compactada? Isso nos dará um direcionamento de implementos a serem utilizados, como, por exemplo, escarificadores para Compactação do Solo nas camadas mais superficiais ou mesmo o uso de subsoladores para camadas mais profundas de compactação.

Atualmente, podemos utilizar índices de vegetação como o NDVI, a partir de imagens de satélite, como um dos direcionadores da amostragem de compactação do solo. O índice de massa vegetal pode nos informar um subdesenvolvimento da parte da área da planta, o qual possui alta correlação com o desenvolvimento das raízes. Com isso, índices baixos de vegetação dentro do talhão podem ser um reflexo do impedimento do desenvolvimento radicular das plantas.

Em situações em que se procura fazer uma identificação geral do talhão, a alternativa é alocar pontos de amostragem de forma aleatória, buscando sempre uma alta densidade de pontos para melhor caracterização daquela área em questão.

Para a medição contamos no mercado com equipamentos manuais ou automatizados, que fazem a medição da resistência à penetração até os 60cm de profundidade. Podemos citar uma alternativa de custo baixo e que faz o trabalho necessário: o Penetrolog, da empresa Falker, um medidor eletrônico de operação manual. Com ele, as equipes de campo da APagri garantem uma medição da resistência à penetração de forma georreferenciada.

Este mapeamento pode gerar uma interpretação a cada 1cm, ou seja, conseguimos extrair uma informação detalhada da estruturação física do solo e, com isso, a visualização e direcionamento das ações corretivas serão mais assertivas. É importante salientar que estas medições diretas devem ser feitas com a umidade do solo próximo da capacidade de campo.

Ubersolo: análise de fertilidade do solo é essencial para ganho de produtividade

Métodos de manejo da compactação do solo

A melhor forma de combater um problema é evitar que ele aconteça. Em se falando de compactação do solo, seguimos a mesma linha, o seu manejo envolve práticas que retardem ou impeçam que ela se estabeleça na propriedade.

O controle de tráfego é uma das práticas que limita a área compactada dentro da propriedade. Consiste no ajuste da bitola das máquinas agrícolas, para que estas andem sempre no mesmo rastro dentro do talhão, mantendo o restante da lavoura livre de compactação e amassamento de plantas.

Outra prática importante é a rotação de culturas ou uso de culturas de cobertura na entressafra ou, ainda, em consórcio com as culturas da safra. Isso garante ao agricultor uma inserção de matéria orgânica no sistema produtivo, que é uma das grandes responsáveis pela estruturação dos solos, além dos benefícios das raízes que criam espaços porosos, aumentando a permeabilidade do solo e melhorando sua qualidade física ao longo do perfil.

O solo é uns dos nossos bens mais preciosos, devemos sempre cuidar e preservar, pois esta será a herança deixada às futuras gerações. O trabalho da APagri baseia-se na melhora contínua da fertilidade, é uma questão fundamental e que pode garantir a sustentabilidade e longevidade dos nossos agricultores.

 

Augusto Sanches
É engenheiro agrônomo e consultor técnico da APagri na região Oeste da Bahia.

Compartilhar:
Compartilhar no facebook
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Sergio Luís Góes

Unidade
Goiás – Agronômico Sérgio
Área atendida em hectares: 47099,3

Nelson Dall'Acqua

Unidade

Goiás – Agronômico Nelson

Área atendida em hectares: 47099,3

Luís Fernando Magron Zanuncio

Engenheiro Agrônomo especializado em Agricultura de Precisão, consultor agronômico há 17 anos
Engenheiro Agrônomo pela Esalq/ USP (2004), especializado em Agricultura de Precisão, área em que atua como consultor agronômico há 17 anos, com foco em produção de grãos e fornecedores de cana-de-açúcar na região de Assis/SP, além de gestor agronômico no Estado do Mato Grosso, com trabalhos desenvolvidos nos Estados de GO, MA, RO, MG, MS, PR e no Paraguai. Possui conhecimento técnico sobre propriedades rurais norte-americanas usuárias de Agricultura de Precisão, usina de cana-de-açúcar na Flórida (US Sugar Corporation) e CASE Máquinas Agrícolas. Conta com participações em feiras agropecuária, como a Farm Progress Show (Estados Unidos), simpósios nacionais de cultura do milho, feijão irrigado, soja, cana-de-açúcar, plantio direto e integração de lavoura pecuária. Palestrante em eventos agronômicos, universitários, de colégios técnicos e treinamentos em empresas agrícolas.

Tiago Cappello Garzella

Engenheiro Agrônomo, Doutor em Ciências/Irrigação e Drenagem, especialista em P&D
Doutor em Ciências pela USP (2011), com ênfase na área de concentração de irrigação e drenagem, e engenheiro agrônomo pela Esalq/USP (2004), tendo recebido duas menções honrosas em trabalhos científicos e o prêmio Sotreq, por Melhor Desempenho na área de Engenharia. Ao longo de sua vida acadêmica e profissional, desenvolveu atividades relacionadas à Agricultura de Precisão, Geoestatística, Eletrônica e Automação, também com formação técnica em eletroeletrônica, laureado com o prêmio Engenheiro Roberto Mange de Melhor Desempenho (1997). Atuou na Robert Bosch (1996 – 2000) e é diretor de P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) da APagri Soluções Agronômicas. Participação em eventos internacionais, nos Estados Unidos e Espanha.

Godofredo César Vitti

Professor Sênior em Adubos, Adubação e Fertilidade do Solo/ USP
Professor Sênior em Adubos, Adubação e Fertilidade do Solo; aulas na disciplina Adubos e Adubação em graduação e pós-graduação na ESALQ/USP; Especialização e MBA. Sócio-proprietário da Vittagro Engenharia, especializada em consultoria, treinamento e projetos técnico-científicos nas áreas de fertilidade e manejo de solos, práticas corretivas (calagem, gessagem e fosfatagem), práticas conservacionistas (plantas de cobertura, rotação de culturas), fertilizantes minerais, orgânicos, compostagem, adubação e nutrição de plantas. Projetos de pesquisa e assessoria na área de plantio direto na cultura de grãos, cana-de-açúcar, pastagem, café, citros e algodão. Publicou 15 livros em nutrição vegetal, fertilizantes e fertilidade do solo; 27 capítulos de livros; boletins técnicos e participação em mais de 200 eventos de capacitação; palestras no Brasil e exterior (África do Sul, Marrocos, Estados Unidos, Noruega, Bolívia, Uruguai, Argentina, Equador, França, Peru, Chile, Espanha, México, Belize, República Dominicana, China, Turquia, Austrália, Costa Rica, Guatemala, Angola, Canadá, entre outros países). Coordenador nacional e internacional há 30 anos do Programa de Análises de Tecido Vegetal e fundador do Grupo de Apoio à Pesquisa e Extensão (GAPE). Medalha Fernando Costa na modalidade Ensino (2018).

José Paulo Molin

Professor e Coordenador do Laboratório de Agricultura de Precisão/USP e pesquisador CNPq
Engenheiro Agrícola pela Universidade Federal de Pelotas (RS, 1983), com mestrado em Engenharia Agrícola pela Universidade Estadual de Campinas (SP, 1991) e PhD em Engenharia Agrícola pela University of Nebraska (EUA, 1996). É professor da Universidade de São Paulo (USP), no Departamento de Engenharia de Biossistemas da ESALQ (Piracicaba-SP), desde 1989, onde coordena o Laboratório de Agricultura de Precisão e é pesquisador do CNPq. Atua na interface entre a área de Máquinas Agrícolas e a Agricultura de Precisão, especialmente com sensores de solo e de plantas, variabilidade espacial, mapeamento da produtividade e aplicação localizada de insumos. Coordenou o Congresso Brasileiro de Agricultura de Precisão, de sua criação (2004 a 2018); presidiu a Comissão Brasileira de Agricultura de Precisão (CBAP), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento desde sua criação (2012 a 2016) e foi presidente da Associação Brasileira de Agricultura de Precisão (AsBraAP), da fundação até 2020.

Nelson Dall’Acqua

Mestre em Produção Vegetal/ Manejo de Solos, consultor técnico em Agricultura de Precisão
Engenheiro agrônomo pela Esalq/USP (1985), é mestre em Produção Vegetal na área de concentração Manejo de Solos pela Universidade de Rio Verde/GO (2008). Especializações em Administração Rural; Sistemas Pressurizados de Irrigação; Tecnologia de Produção da Cultura da Soja; Plantio Direto; e Manejo de Solo. Consultor técnico da APagri Soluções Agronômicas há 15 anos, já atuou na Lacon Engenharia, em processos de implantação de tecnologia de integração agricultura-pecuária, com plantio de soja para recuperação de pastagens em Goiás, milho e sorgo para produção de grãos e silagem, administração de seringal e implantação de usina de beneficiamento de borracha, além de introdução ao sistema de monitoramento e manejo de pragas na cultura da seringueira. Foi gerente agrícola na Construtora Massafera, para administração e implantação das culturas de seringueira e eucalipto; e na Serrana de Mineração, para a implantação e administração de fazenda modelo e experimental de horticultura, fruticultura, bovinocultura de leite e reflorestamento de eucalipto.

Jonas Canesin Gomes

Agrônomo, consultor técnico, com especialização em Manejo de Solos e Inglês para Negócios
Engenheiro agrônomo pela Universidade Federal de Viçosa-MG (2013), com especialização em Inglês para Negócios/ Business English (2019) pela University of La Verne – La Verne/CA – USA, e especialização agronômica com ênfase em Manejo de Solos pela Esalq/ USP (2017). Atuou no mercado de fertilizantes sólidos e líquidos, com foco na nutrição de culturas como soja e milho, hortifruti e florestas. É consultor técnico da APagri Soluções Agronômicas, com ênfase em Agricultura de Precisão e consultoria na Fertilidade de Solos, atendendo nos Estados do Maranhão, Piauí, Tocantins, Goiás, Pará e Bahia, com abertura de mercados regionais e prospecção de clientes da negociação à supervisão de serviços técnicos. Atuou também na Timac Agro do Brasil, IAC (Instituto Agronômico de Campinas), Cocapec (Cooperativa de Cafeicultores da Alta Mogiana) e Grupo Perene Consultorias Agrícolas.

Sergio Luís Góes

Unidades
Colômbia – Agronômico Medelin
Colômbia – Puerto Gaitán
Área atendida em hectares: 26668,8

Sergio Luís Góes

Unidade
Bahia – Agronômico Sérgio
Área atendida em hectares: 111042,7

Jonas Canesin

Unidades
Bahia – Agronômico Jonas
Área atendida em hectares: 111042,7

Sergio Luís Góes

Unidade
Distrito Federal – Agronômico Sérgio
Área atendida em hectares: 111042,7

Jonas Canesin

Unidades
Distrito Federal – Agronômico Jonas
Área atendida em hectares: 111042,7

Mauro Wontroba

Unidade
Maranhão – Agronômico Balsas
Área atendida em hectares: 34107,9

Francisco Weliton

Unidade
Maranhão – Agronômico Pará
Área atendida em hectares: 34107,9

Mauro Wontroba

Unidade
Piauí – Agronômico Balsas
Área atendida em hectares: 30765,3

Francisco Weliton

Unidade
Piauí – Agronômico Pará
Área atendida em hectares: 30765,3

Mauro Wontroba

Unidade

Tocantins – Agronômico Balsas

Área atendida em hectares: 30765,3

Francisco Weliton

Unidade
Tocantins – Agronômico Pará
Área atendida em hectares: 34107,9

Mauro Wontroba

Unidade

Pará – Agronômico Balsas

Área atendida em hectares: 30765,3

Francisco Weliton

Unidade
Pará – Agronômico Pará
Área atendida em hectares: 34107,9

Rogerio Macedo

Unidade
Minas Gerais – Agronômico Frutal
Área atendida em hectares: 11435,2

Norwaldo Mello

Unidades
Minas Gerais – Agronômico Uberaba
Área atendida em hectares: 11435,2

Davi Besson

Unidade
Mato Grosso – Agronômico Médio Norte
Área atendida em hectares: 8633,9

Tiago de Oliveira

Unidade
Mato Grosso – Agronômico Parecis
Área atendida em hectares: 8633,9

Rodrigo Righeto

Unidade
Mato Grosso – Agronômico Primavera do Leste
Área atendida em hectares: 8633,9

Davi Besson

Unidade
Mato Grosso – Agronômico Vale do Araguaia
Área atendida em hectares: 8633,9

Luís Fernando Magron Zanuncio

Unidade
São Paulo – Agronômico Assis
Área atendida em hectares: 2613,0

Luís Fernando Magron Zanuncio

Unidade
Paraná – Agronômico Assis
Área atendida em hectares: 2613,0

Luís Fernando Magron Zanuncio

Unidade
Mato Grosso do Sul – Agronômico Assis
Área atendida em hectares: 2613,0

Sergio Luís Góes

Consultor técnico com foco em estratégias de Sistemas de Produção, Fertilidade do Solo e Agricultura de Precisão
Engenheiro agrônomo pela Esalq/USP (1993), com MBA em Gestão Empresarial FIA/USP/(2001) e especialização em Manejo do Solo ESALQ /USP(2004), é considerado referência profissional em adubação e correção no Cerrado para as culturas de soja, milho, feijão e algodão. Consultor técnico com foco em estratégias de Sistemas de Produção, Fertilidade do Solo e Agricultura de Precisão, voltado a orientar o produtor para otimização do potencial produtivo com essência em maximização de margem de lucro e minimização de riscos. Atende com serviços, assessoria e suporte a produtores em todo o Brasil e histórico de atuação em países como Austrália, Paraguai e Colômbia. CEO e sócio-fundador da APagri Soluções Agronômicas.