Nematoides: identificação, planejamento e monitoramento

Encontro com especialistas APagri
26 de fevereiro de 2021
desafios no manejo nutricional da cana
Desafios no manejo nutricional da cana: potássio, magnésio e enxofre
3 de maio de 2021
Mostrar tudo

Um dos principais fatores bióticos que limitam as altas produtividades da região do Cerrado brasileiro são os nematoides fitopatogênicos. Práticas de manejo inadequadas ao sistema produtivo e falta de conhecimento dos ciclos dos nematoides acarretam o aumento da população, causando danos que ultrapassam R$ 16 bilhões na agricultura brasileira, segundo dados da Sociedade Brasileira de Nematologia (SBN).  

Os nematoides estão distribuídos por todas as regiões produtoras de soja, milho e algodão do País. Tem se observado que os maiores danos são causados em solos de baixa fertilidade e muito arenosos. Por mais que tenhamos inúmeras espécies parasitando as principais culturas de cereais e fibras (algodão), atualmente destacam-se os nematoides de cistos (Heterodera glycines), os das lesões radiculares (Prathylenchus brachyurus), das galhas (Meloydogine javanica e M. Incognita) e o nematoide Reniforme (Rotylenchulus reniformis); (FAVORETO et al., 2019).  

Cada uma dessas espécies apresenta hábitos alimentares diferentes e pode causar sintomas variados nas raízes das plantas. Os sintomas da presença de nematoide nas lavouras podem ser divididos em dois tipos:

  • Diretos, como galhas, necrose de raízes;
  • Reflexos, caracterizados por amarelecimento da parte aérea, plantas subdesenvolvidas, manchas em reboleiras e quedas acentuadas na produtividade.

Identificação das espécies de nematoides

Como várias espécies de nematoides podem parasitar as plantas de forma conjunta, é muito importante a correta diagnose desses fitoparasitas em campo. 

Para garantir que os produtores estejam recebendo resultados confiáveis, os cuidados devem iniciar na coleta das amostras. A alocação dos pontos de coleta através de imagens de satélite, tem sido grande aliada para visualizar a lavoura de forma geral à procura das reboleiras características do ataque de nematoides. A época de coleta deve coincidir com a máxima atividade biológica do parasita, facilitando identificar e contabilizar sua intensidade de infestação em determinada área.  

O local de retirada das amostras é algo que exige atenção. Por serem parasitas obrigatórios, sua presença ocorre nas raízes vivas. As amostras devem ser compostas por raízes e por solo, além de conter um número de subamostras para representar o ponto de coleta da melhor forma. 

Compactação do solo: olhar para além das características químicas

Importância do manejo integrado para o combate de nematoides

Como é comum a ocorrência de populações mistas de nematoides, análise adequada das espécies é o passo inicial para o bom planejamento. O controle de nematoides é bastante complexo e deve ser baseado em um conjunto de práticas integradas ao sistema produtivo.

Atualmente, podemos utilizar da integração dos manejos genético, químico, biológico e cultural.  

  • Manejo genético: baseado no uso de cultivares geneticamente resistentes ao ataque de certos nematoides. Tem sido uma das práticas mais vantajosas em termos de facilidade de uso, pois não requer tecnologias avançadas e tem baixo custo. No entanto, poucos cultivares hoje disponíveis no mercado apresentam resistência a nematoides e essa resistência não é para todas as espécies; 
  • Manejo químico: produtos nematicidas aplicados diretamente no sulco de plantio ou via tratamento de sementes, com a intenção de conferir uma certa proteção ao crescimento das raízes na fase inicial de desenvolvimento das plantas em campo. Sua vantagem é o amplo espectro de ação sobre as diferentes espécies, porém esses nematicidas têm efeito residual curto, deixando as plantas desprotegidas ao final da ação;
  • Manejo biológico: composto basicamente por fungos ou bactérias com ação direta ou indireta sobre o nematoide. A aplicação segue a mesma metodologia do uso de produtos químicos e vem apresentando resultados positivos. Hoje, os principais produtos são baseados em bactérias do gênero Bacillus Pasteuria, e os fungos, dos gêneros PochoniaPurpureocillium Trichoderma;
  • Manejo cultural: estratégia-chave que consiste em reduzir o nematoide na fonte de inóculo. Nessa prática, evita-se a entrada do nematoide provenientes de outras áreas já infestadas. O controle de plantas daninhas e tigueras, a manutenção da fertilidade do solo, aumento da matéria orgânica e cuidados com as características físicas do solo também contribuem para o manejo dos nematoides. Podemos destacar como principal forma de manejo cultural a rotação de culturas. O interrompimento na sequência de culturas hospedeiras colabora com a diminuição da população infestante. 

O manejo de nematoides é complexo e requer muito conhecimento das alternativas adequadas ao sistema de produção da fazenda. Todos os manejos apresentam limitações e não devem ser implementados de forma isolada.  

Na APagri, atuamos para uma boa identificação de quais espécies estamos lidando, planejando um conjunto de práticas para aumentar a eficiência na redução da população infestante e monitorando a situação ao longo dos anos, com a finalidade de obtermos os melhores resultados.   

compactação do solo - augusto sanches - apagri*O engenheiro agrônomo Augusto Sanches

é consultor técnico da APagri na região

de Luís Eduardo Magalhaes – Bahia  

Compartilhar:

Os comentários estão encerrados.