La Niña: meteorologistas acreditam que o fenômeno ainda pode acontecer

Novo mapa 3D mundial disponível – modelo de elevação global TanDEM-X
6 de outubro de 2016
Brasil deve exportar 53 milhões/t de soja
14 de outubro de 2016
Mostrar tudo

A possibilidade formação do La Niña ainda não foi descartada. A La Niña pode acontecer a partir do esfriamento das águas do Pacífico Equatorial, que devem ficar igual ou abaixo de – 0,5°C por pelo menos seis meses. Segundo Alexandre Nascimento, agrometeorologista da Climatempo, a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional (em inglês, NOOA), voltou a considerar a formação da La Niña em seu último boletim.

As condições mostram que existe a possibilidade de que as temperaturas do pacífico equatorial fiquem um pouco mais frias do que o normal e não ocorra a La Niña. Mas também é possível que ocorra uma La Niña fraquíssima nos próximos meses.

Mesmo que a formação da La Niña seja confirmada, os produtores brasileiros não têm motivos para preocupação. Segundo o agrometeorologista, o cenário climático não interfere no andamento da safra e não deve atrapalhar a produção agrícola brasileira. “Para o clima na América do Sul não tem diferença nenhuma se a La Niña se forma ou não”, afirma Nascimento. “Por isso a gente espera uma safra melhor que a anterior. ”

Fonte: SF Agro / Por: Naiara Araújo

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *