Clima deve permitir uma nova colheita recorde de grãos no país

Produtos do agronegócio representaram 39% das exportações brasileiras até outubro de 2016
9 de novembro de 2016
Planta daninha deve ser monitorada nesta safra de soja
18 de novembro de 2016
Mostrar tudo

A expectativa de um clima favorável às culturas de verão fez com que a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) ajustasse para cima a estimativa para a produção nacional de grãos nesta safra 2016/17, que está sendo semeada.

O intervalo indicado no segundo relatório da autarquia sobre a temporada é de 210,9 milhões a 215,1 milhões de toneladas. Mesmo se a previsão menos otimista for confirmada, um novo recorde histórico será batido. Os números divulgados ontem indicam avanço entre 13,3% e 15,6% em relação à safra passada, que foi prejudicada por adversidades climáticas. Para a área, a autarquia prevê que o cultivo permanecerá nos mesmos patamares da safra de 2015/16. (ver infográfico)

A soja e o milho permanecem como as principais culturas produzidas, sendo que as duas correspondem a quase 90% da colheita total projetada. A soja deve alcançar uma produção acima de 100 milhões de toneladas, com intervalo entre 101,6 e 103,5 milhões de toneladas. O milho deve ficar em patamares acima de 80 milhões de toneladas, distribuídos entre primeira e segunda safra. Com relação ao trigo, a Conab manteve sua estimativa para a produção nacional na safra 2016/17, que no caso do cereal está em fase de colheita, em 6,33 milhões de toneladas. O volume, se confirmado, será 13,7% superior ao da safra passada.

Para a produção de soja, a Conab reduziu a estimativa na comparação com a divulgação do mês passado. Para a produção de milho, as estimativas foram elevadas, levando em consideração à expectativa de melhora do preço do cereal na safra de verão.

O preço também foi o fator que motivou a Conab à elevar as estimativas para safra de feijão. O valor elevado do grão em 2016 incentivou os produtores do grão a aumentarem a área de plantio na primeira safra (verão), que está sendo semeada. Com isso, a produção deve crescer entre 17,3% e 24,4%. A indicação para a primeira safra é de 1,21 milhão a 1,29 milhão de toneladas, devido ao incremento de 10% na área.

Para o arroz, a Conab manteve sua estimativa para a produção brasileira entre 11,5 milhões e 12 milhões de toneladas. Se confirmado, seria superior ao volume do cereal colhido no ciclo passado, de 10,60 milhões de toneladas.

O IBGE também divulgou suas estimativas para a safra que está sendo semeada. Segundo a primeira estimativa do instituto, a produção deverá atingir 209,4 milhões de toneladas, 13,9% acima da safra de 2016 e levemente abaixo da expectativa mais baixa da Conab. Para a safra que está terminando, estima o IBGE, a produção brasileira de grãos deverá cair 12,3% em relação ao ano anterior e alcançar 183,8 milhões de toneladas, contra 209,5 milhões de toneladas em 2015.

Por: Fernanda Pressinott, Bettina Barros, Kauanna Navarro, Cristiano Zaia e Alessandra Saraiva

Fonte: Valor Econômico

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *