APagri na Colômbia: solos, desafios e análises

Importância de aferir a aplicação de fertilizantes no solo
21 de setembro de 2021
Mostrar tudo

O Brasil conta com uma grande diversidade de solos, mas nossa principal fronteira é o Cerrado. Na região de atuação da APagri na Colômbia – conhecida como Lhanos, cidade de Puerto Gaitán, Estado de Meta -, encontramos baixa altitude e clima tropical. Os solos de Lhanos têm baixa fertilidade natural, sendo necessária a correção química e física, especialidade da APagri.

Em comparação ao solo brasileiro, do ponto de vista de correção, os desafios para a região de Lhanos são parecidos com os nossos. Naquela área colombiana, porém, que é próxima à linha do Equador, as chuvas são abundantes, colocando um obstáculo a mais para o manejo do sistema.

Para se ter uma ideia, recentemente houve áreas que receberam 1.700 milímetros de chuvas durante o ciclo, sendo que o consumo hídrico da soja é de aproximadamente 600 mm. Isso torna implacável o desafio da colheita, do controle de ervas daninhas e das doenças.

A APagri vem trabalhando na compreensão e adaptação de técnicas do sistema de produção colombiano para mapeamento da fertilidade, correção de solos e nutrição de plantas. Todo esse empenho, inclusive, já é baseado em experiências anteriores em regiões mais próximas à linha do Equador.

Importância de aferir a aplicação de fertilizantes no solo

Chegamos a fazer um trabalho de análises de viabilidade para a produção de soja no Amapá, que tem um regime hídrico abundante, com um desafio similar, mas que pede muita atenção.

Estamos entrando agora em um segundo ciclo de atuação e o foco continuará no olhar para o sistema de produção. Será muito importante a realização do mapeamento pedológico do solo, pensando na questão de aptidão e manejo conservacionista do solo e da condução do excedente de água.

Análises desafiadoras

Já é claro que nossa proposta é ampliar a equipe para dilatar a visão e a estratégia e obtermos um mapeamento mais claro de todo o ambiente. Mas já sabemos que a Colômbia é um país organizado, porém em processo de ganho de escala e procurando o caminho do auto abastecimento com soja e milho, pois hoje encara uma grande dependência da importação.

Existem por lá outras empresas que atuam com agricultura de precisão, focadas em cana-de-açúcar e fruticultura, mas para avançar com um trabalho de qualidade, como desenvolvemos no Brasil, o desafio é maior, considerando que na Colômbia os valores de análises laboratoriais são altos e não há laboratórios preparados para a larga escala.

Com base nisso, também estamos levando a expertise de nosso laboratório Ubersolo Análises Agrícolas – localizado em Uberlândia-MG e certificado com os melhores selos de qualidade -, para o Laboratório de Suelos Aliar, em Puerto Gaitán. Atuamos na organização e estruturação, com vistas a amenizar o impacto dos preços e aumentar a realização de análises.

Mapas de produtividade: importância do uso e desafios

Nossa equipe acompanhou in loco, por um período, toda a movimentação laboratorial de lá, para pontuar as oportunidades de melhoria. Sentimos uma grande abertura dos colaboradores e uma vontade motivadora de crescimento.

O mesmo ânimo encontramos nas equipes de campo colombianas, pessoas para quem não existem fronteiras na troca de conhecimento.

A principal lição que trazemos na bagagem é que somos todos iguais e estamos em busca de um propósito único: tratar a terra com respeito e dentro das necessidades para que possamos alcançar altas produtividades, devolvendo a ela os benefícios que recebemos.

Sérgio Luís Góes é

CEO da APagri

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *